O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito

Pessoa sentada na cama lendo um livro

Robertson Frizero

Hoje encerramos nossa breve trilogia sobre o conflito na ficção literária, abordando o tema das circunstâncias do conflito. Os outros dois tópicos das duas últimas semanas foram O conflito na ficção literária, em sentido mais amplo e conceitual, e O conflito na ficção literária – A transformação do personagem.

Nossa abordagem tem como texto de referência, que nos ajuda com inferências técnicas e literárias, o livro do professor Luiz Antonio de Assis Brasil Escrever ficção. Um manual de criação literária (2019). Neste texto, apresentaremos questões relativas às circunstâncias dos conflitos (positiva ou negativa), bem como qual o papel dos personagens coadjuvantes nessa construção. Vamos lá, ao trabalho!

O que são as circunstâncias do conflito

O que nós já aprendemos sobre o conflito, é que ele se refere àquela encruzilhada existencial que dá sentido ao comportamento, às falas, aos dilemas que o protagonista deve enfrentar.

As circunstâncias do conflito podem ser compreendidas, em certo sentido, como as consequências antevistas pelo personagem diante de sua questão essencial

Tais circunstâncias podem ser, positivas ou negativas. Isto quer dizer que as saídas ao conflito podem ser “boas” – quando a saída não é propriamente trágica, embora de difícil decisão – ou “más” – quando o desafio imposto força o personagem a escolher pelo menos pior.

Don Juan e o conflito de circunstância positiva

Mozart (compositor musical) e Lorenzo Da Ponte (autor do texto/libreto) nos oferecem com a ópera Dom Juan (D. Giovanni) o conflito do protagonista, um sedutor voraz, que se vê diante do questionamento de abandonar as tantas mulheres a que conquista, pois ao fazer isso com suas falsas promessas de amor engana a todas.

Dom Juan, no entanto, pensando que vai fugir deste conflito oferece uma “saída” positiva, afirmando ao seu interlocutor “Quem é fiel a uma, é cruel para outra; eu, que tenho esse nobre sentimento, quero bem de todas” (excerto retirado da obra de Assis Brasil, 2020, p. 139). 

Claro que, embora sejam circunstâncias positivas, o desfecho da obra tem consequências trágicas, mas o que importa aqui é considerar que a natureza circunstancial do conflito é resolvida, pelo personagem, por uma via positiva, sobretudo porque o personagem não é capaz de levar em conta os desdobramentos futuros de seus atos.

Hamlet e o conflito de circunstância negativa

No caso de Hamlet, de Shakespeare, o jovem príncipe se vê diante do conflito de viver em uma sociedade em que um assassino (o próprio tio) é “premiado” com a coroa de rei (herdada do pai de Hamlet assassinado) ou o suicídio (do próprio Hamlet). 

Tanto a questão essencial quanto o contexto em que se desdobra a peça produzem estas e tão somente estas circunstâncias de enfrentamento da questão essencial, que no caso são ambas negativas. 

Placas com setas e nomes de cidades
Escolhas (Imagem: PxFuel / Creative Commons)

Qual é a importância do conflito dos coadjuvantes

Personagens coadjuvantes também possuem conflitos, embora nem sempre, ou quase nunca possuam questões essenciais. O conflito dos coadjuvantes é importante pois, ao trazer questões autênticas relacionadas à vida dos personagens, eles humanizam e tornam a narrativa mais verossímil.

Há outros dois aspectos importantes neste caso. O primeiro deles diz respeito ao fato de que os escritores não devem se deter longamente no conflito dos coadjuvantes, sob pena de se perder o foco do conflito de fundo da obra. 

Em segundo lugar, o conflito de um personagem coadjuvante pode levantar perguntas importantes ao próprio protagonista, colocando em perspectiva sua própria questão essencial.

Mas afinal de contas, por que escrever histórias com conflito?

Escrever uma história sem conflito é algo que possivelmente vai desinteressar o leitor, que vai se ver frente a uma sucessão de acontecimentos sem consequências e com possibilidade baixa de gerar empatia.

Produzir conflitos em ficção literária implica colocar as pessoas diante da necessidade de fazer escolhas (o que fazemos o tempo todo em nossa vida cotidiana). 

A escolha é a matéria da vida humana, porque nunca sabemos bem se estamos escolhendo de maneira adequada ou não, inclusive porque somos incapazes de antever todas as consequências de nossos atos. Há, contudo, um detalhe importante na ficção literária: um conflito pressupõe a liberdade do personagem em escolher

Portanto, ao construir seu conflito, considere todos os aspectos apresentados ao longo dos três textos que compõem esta série – da questão essencial às motivações pessoais, transformação do personagem e circunstâncias do conflito – para construir conflitos que sejam humanamente sensíveis e literariamente instigantes aos leitores.

* * *

Encerramos aqui a série sobre conflitos. Evidentemente voltaremos ao tema futuramente, mas estes três textos dão o tom da importância deste tema para escrita criativa ficcional. Desejamos que os conteúdos sejam proveitosos e inspiradores.

Boa escrita!

Clube de criação literária

Clube de Criação Literária é uma dessas ações de mecenato coletivo – neste caso, em favor do escritor e tradutor Robertson Frizero. Mas, como o próprio nome sugere, é uma ação de mecenato que traz, também, uma ideia inovadora no campo da formação continuada em Escrita Criativa.

Associando-se ao Clube, o participante colabora com o mecenato coletivo e tem acesso a conteúdo exclusivo sobre Criação Literária:

  • Material didáticoartigos resenhas de livros de interesse na área de Criação Literária;
  • Reuniões on-line e debates sobre Criação LiteráriaLiteratura Mercado Editorial;
  • Vídeos, áudios, apresentações e sessões de mentoria literária em grupo;
  • Sorteios mensais de livros e serviços de mentoria literária individual e leitura crítica.

Desafio de literatura 2021: envie suas resenhas e ganhe prêmios

Conhece o Desafio de literatura 2021 do site Frizero? Você pode publicar sua resenha literária em nossa página e de quebra ganhar o livro  Dostoiévski – Correspondências (1838-1880), do escritor russo que completa duzentos anos de nascimento em 2021. A edição foi traduzida por Robertson Frizero.

Como devo escrever e enviar minha resenha

No mês de agosto, o desafio é ler um Um romance escrito por um autor português contemporâneo.

Para participar basta enviar seu texto para sitefrizero@gmail.com com o assunto [DESAFIO DE LITERATURA – NOME DO PARTICIPANTE].

Lembre-se deixar no formato .doc com a seguinte formatação: Times New Roman, 12, espaçamento 1.5, título e autor no nome do arquivo.

Caso sua resenha seja escolhida para publicação, você receberá um e-mail solicitando dados para o recebimento da premiação.


Robertson Frizero

Retrato de Robertson Frizero
Robertson Frizero

Robertson Frizero é escritor, tradutor e professor de Criação Literária. Sua primeira oficina foi lançada em 2011, e desde então se manteve em atividade contínua, entre oficinas, cursos, palestras e mentorias literárias. Foi jurado do Prêmio Jabuti de Literatura por três anos consecutivos e jurado do Prêmio Açorianos de Literatura. É Mestre em Letras pela PUCRS e especialista em Ensino e Aprendizagem de Línguas Estrangeiras pela UFRGS.

Frizero é autor de romances e livros infantis premiados, e já publicou também poesia, contos e textos teatrais. Seu livro de estreia, o infantil Por que o Elvis Não Latiu? [8INVERSO, 2010], foi agraciado com o Prêmio Crescer. Seu romance de estreia, Longe das Aldeias [Dublinense, 2015], ganhou o Prêmio AGES de melhor romance do ano pela Associação Gaúcha de Escritores – AGES e foi finalista dos prêmios São Paulo de Literatura e Açorianos de LiteraturaLonge das Aldeias foi também escolhido pelo Governo Federal para distribuição à Rede Pública de Ensino no PNDL Literário 2018. Em 2020, Longe das Aldeias foi traduzido para o árabe e publicado no Kuwait e Iraque, com distribuição para todo o mundo árabe.


Leia também

O conflito na ficção literária – Parte 2 | A transformação do personagem

O conflito na ficção literária – Parte 1

Escrevendo o máximo com o mínimo

Prêmio Literário – Literatura Mínima 2021

Faça parte do Clube de Criação Literária

O que é um texto?

A epopeia de Gilgamesh: o livro mais antigo do mundo

Como ler e escrever como um escritor

Do pensamento à palavra: como transformar ideias em literatura

Originalidade na escrita criativa

Conheça o Clube de Criação Literária!

Dizer uma coisa para dizer outra

Disciplina na escrita criativa é a liberdade do escritor

Ritmo na poesia e a divisão das sílabas métricas: o decassílabo

Aproveite algumas dicas de como se tornar um escritor profissional

Conheça quatro lições para ser um bom escritor

Personagens como os alicerces da história – Parte II

Personagens como os alicerces da história – Parte I

Literatura de entretenimento no Brasil: conheça suas características

Da leitura de superfície à estrutura do texto na escrita criativa

Como escrever um bom começo de texto literário

O fator humano na Escrita Criativa e na literatura de ficção

O conto e a literatura de narrativa curta

9 Replies to “O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito”

  1. […] O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito […]

  2. […] O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito […]

  3. […] O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito […]

  4. […] O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito […]

  5. […] O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito […]

  6. […] O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito […]

  7. […] O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito […]

  8. […] O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito […]

  9. […] O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito […]

Deixe um comentário