O conflito na ficção literária – Parte 2 | A transformação do personagem

Foto homem de vestido de noiva e terno em tablado com piano e teclado

Robertson Frizero

Seguimos nossa trilogia de textos sobre o conflito na ficção literária, desta vez pensando sobre a transformação do personagem. Este é o segundo texto de nosso especial sobre o conflito na escrita criativa. Na próxima semana vamos abordar o tema da contextualização do conflito.

Conforme pudemos ver no texto anterior, a questão essencial de cada personagem produz impactos decisivos na perspectiva de como eles vão lidar com seus conflitos. Isso é importante, pois quando um personagem se transforma não implica que ele, por exemplo, de “vilão” torna-se “mocinho”, mas sim, que ele passa a encarar seus dilemas desde outro ponto de vista.

O que significa falar em “transformação do personagem”

Como informamos no último texto, esta série é inspirada no livro do professor Assis Brasil – Escrever ficção. Um manual de criação literária (2019). O professor enfatiza que devemos compreender a transformação do personagem não a partir de uma compreensão de senso comum que banalizou seu significado, compreendendo tal mudança como o “processo” de transformar quem era malvado em bonzinho.

O uso intenso do termo “transformação do personagem” gera um pertinaz mal-entendido. Críticos, teóricos e ficcionistas nunca quiseram dizer que o personagem se transforma por inteiro no fim do livro – mas, sim, que ocorre algo, no interior da narrativa, que modifica a perspectiva do personagem acerca do conflito.

(ASSIS BRASIL, p. 116)

Há ainda outro aspecto a se ressaltar. Não se trata, em nenhuma medida, que uma hipotética “resolução” do conflito – que significa que o personagem enfrentou seu dilema, não que o resolveu – elimine a questão essencial do personagem. Esta continua latente, pois é algo que conforma a existência do personagem no mundo construído pela narrativa ficcional. Algo, portanto, fundamental.

Viadutos entrecruzados
Imagem: Wikimedia Commons

Qual a dinâmica e a estrutura do conflito

Uma das condições sem as quais não existe um conflito na escrita criativa é que ele não surja, como diriam pomposamente os filósofos, ex nihilo, ou seja, do nada,. Não faz sentido um conflito que apareça na história como quem cai de paraquedas na vida “perfeita” do personagem.

Para isso é importante humanizar seus personagens. Isso significa que eles são mais interessantes não por ocuparem a fantasiosa posição de “bom” ou “mau” na narrativa, mas, sobretudo, por conterem em si próprios essas duas dimensões.

Tendo isso em mente, podemos então pensar a dinâmica e a estrutura do conflito a partir de um padrão que se repete nos melhores textos ficcionais e que é apresentado por Assis Brasil da seguinte forma.

Situação inicial do personagem
+
fatores externos que geram o conflito da história
=
alteração da atitude do personagem perante esse conflito.

(ASSIS BRASIL, p. 119)

Protagonista e antagonista, uma fórmula batida

É óbvio que você pode escrever uma narrativa em que o conflito da narrativa se articula entre a luta do bem contra o mal encarnados no protagonista e antagonista. Contudo, lembre-se: esta é uma fórmula batida e muito convidativa ao leitor para abandonar o seu romance tão logo ele perceba essa estratégia.

Isso porque, neste caso, sabemos que a tendência de desfecho desta estória tenderá, o quer que aconteça, à “vitória” do mocinho, sem que haja neste caso a transformação do personagem. Está errado? Não, mas é uma forma pobre de contar uma história.

O fato de justamente sermos humanos – e queremos que nossos personagens também o sejam, afinal nosso intuito é gerar empatia com o leitor – faz com que a maneira como encaramos os dilemas de nossa vida vá mudando ao longo do tempo.

Com a escrita criativa ocorre o mesmo. Para que haja a possibilidade de transformação do personagem é necessário que ele não esteja estruturado de forma binária e polarizada, mas que contenha em si mesmo essa dualidade.

Disso decorre a necessidade de sempre contextualizarmos qual a situação inicial do personagem na narrativa e como a sucessão de eventos que ocorrem com ele vai produzindo uma transformação na forma como ele encara a vida e sua questão essencial, que continua a mesma, mas vista desde outro prisma.

* * *

Na próxima semana, para fechar esse trinca de textos sobre o conflito, vamos falar da contextualização narrativa do conflito e como as circunstâncias em jogo podem acrescentar uma camada a mais de complexidade aos textos de ficcção.

Clube de criação literária

Clube de Criação Literária é uma dessas ações de mecenato coletivo – neste caso, em favor do escritor e tradutor Robertson Frizero. Mas, como o próprio nome sugere, é uma ação de mecenato que traz, também, uma ideia inovadora no campo da formação continuada em Escrita Criativa.

Associando-se ao Clube, o participante colabora com o mecenato coletivo e tem acesso a conteúdo exclusivo sobre Criação Literária:

  • Material didáticoartigos resenhas de livros de interesse na área de Criação Literária;
  • Reuniões on-line e debates sobre Criação LiteráriaLiteratura Mercado Editorial;
  • Vídeos, áudios, apresentações e sessões de mentoria literária em grupo;
  • Sorteios mensais de livros e serviços de mentoria literária individual e leitura crítica.

Desafio de literatura 2021: envie suas resenhas e ganhe prêmios

Conhece o Desafio de literatura 2021 do site Frizero? Você pode publicar sua resenha literária em nossa página e de quebra ganhar o livro  Dostoiévski – Correspondências (1838-1880), do escritor russo que completa duzentos anos de nascimento em 2021. A edição foi traduzida por Robertson Frizero.

Como devo escrever e enviar minha resenha

No mês de junho o desafio é ler um romance policial escrito por uma autora brasileira.

Para participar basta enviar seu texto para sitefrizero@gmail.com com o assunto [DESAFIO DE LITERATURA – NOME DO PARTICIPANTE].

Lembre-se deixar no formato .doc com a seguinte formatação: Times New Roman, 12, espaçamento 1.5, título e autor no nome do arquivo.

Caso sua resenha seja escolhida para publicação, você receberá um e-mail solicitando dados para o recebimento da premiação.


Robertson Frizero

Retrato de Robertson Frizero
Robertson Frizero

Robertson Frizero é escritor, tradutor e professor de Criação Literária. Sua primeira oficina foi lançada em 2011, e desde então se manteve em atividade contínua, entre oficinas, cursos, palestras e mentorias literárias. Foi jurado do Prêmio Jabuti de Literatura por três anos consecutivos e jurado do Prêmio Açorianos de Literatura. É Mestre em Letras pela PUCRS e especialista em Ensino e Aprendizagem de Línguas Estrangeiras pela UFRGS.

Frizero é autor de romances e livros infantis premiados, e já publicou também poesia, contos e textos teatrais. Seu livro de estreia, o infantil Por que o Elvis Não Latiu? [8INVERSO, 2010], foi agraciado com o Prêmio Crescer. Seu romance de estreia, Longe das Aldeias [Dublinense, 2015], ganhou o Prêmio AGES de melhor romance do ano pela Associação Gaúcha de Escritores – AGES e foi finalista dos prêmios São Paulo de Literatura e Açorianos de LiteraturaLonge das Aldeias foi também escolhido pelo Governo Federal para distribuição à Rede Pública de Ensino no PNDL Literário 2018. Em 2020, Longe das Aldeias foi traduzido para o árabe e publicado no Kuwait e Iraque, com distribuição para todo o mundo árabe.


Leia também

O conflito na ficção literária – Parte 1

Escrevendo o máximo com o mínimo

Prêmio Literário – Literatura Mínima 2021

Faça parte do Clube de Criação Literária

O que é um texto?

A epopeia de Gilgamesh: o livro mais antigo do mundo

Como ler e escrever como um escritor

Do pensamento à palavra: como transformar ideias em literatura

Originalidade na escrita criativa

Conheça o Clube de Criação Literária!

Dizer uma coisa para dizer outra

Disciplina na escrita criativa é a liberdade do escritor

Ritmo na poesia e a divisão das sílabas métricas: o decassílabo

Aproveite algumas dicas de como se tornar um escritor profissional

Conheça quatro lições para ser um bom escritor

Personagens como os alicerces da história – Parte II

Personagens como os alicerces da história – Parte I

Literatura de entretenimento no Brasil: conheça suas características

Da leitura de superfície à estrutura do texto na escrita criativa

Como escrever um bom começo de texto literário

O fator humano na Escrita Criativa e na literatura de ficção

O conto e a literatura de narrativa curta

7 Replies to “O conflito na ficção literária – Parte 2 | A transformação do personagem”

  1. […] O conflito na ficção literária – Parte 2 | A transformação do personagem […]

  2. […] O conflito na ficção literária – Parte 2 | A transformação do personagem […]

  3. […] O conflito na ficção literária – Parte 2 | A transformação do personagem […]

  4. […] O conflito na ficção literária – Parte 2 | A transformação do personagem […]

  5. […] O conflito na ficção literária – Parte 2 | A transformação do personagem […]

  6. […] O conflito na ficção literária – Parte 2 | A transformação do personagem […]

  7. […] outro post publicamos um texto sobre a transformação do personagem que, neste caso, também é importante. Na literatura infantil não é diferente, sobretudo porque […]

Deixe um comentário