Narrador e narração na literatura de ficção

Pagina de livro aberta com paisagem rural

Quando se trata de escrever um texto ficcional o escritor já logo pensa: qual será o tipo de narrador que vai contar essa história? Essa é uma dúvida legítima e importante, pois passa por esta decisão questões que vão se ligar aos efeitos de sentido do que está sendo contado.

Embora os narradores mais comuns sejam em primeira e terceira pessoa, isto é, como um “eu” ou um “ele” que se dirige aos leitores, também se pode narrar um texto em segunda pessoa (destinado a um “você”) ou mesmo na primeira pessoa do plural com o “nós”. Esses últimos, porém, são mais incomuns, embora também possíveis.

Conheça alguns tipos de narradores e suas características. Vem com a gente!

Qual a importância e a diferença de narradores na escrita criativa

Os narradores são fundamentais a qualquer texto ficcional, afinal são os interlocutores com os leitores. São eles que devem criar laços com quem está diante da narrativa, para que ele possa ser fisgado para a história.

Há os narradores confiáveis e os não confiáveis e para cada um deles a narrativa dará pistas, ao longo da leitura, sobre qual tipo de narrador se trata.

Para James Wood, autor de Como funciona a ficção (Cosac Naify, 2012), os narradores em primeira pessoa costumam ser mais confiáveis que não confiáveis, ao passo que os narradores em terceira pessoa tendem a ser mais parciais que oniscientes.

Pode ser legal pensar a história como um jogo, entre narrador e leitor, em que um está descobrir algo do outro e que a cada página há a possibilidade de uma reviravolta. Isso torna tudo mais interessante.

Escolher um narrador
Imagem: Chenspec / Pixabay CC

Quais os tipos de narrador e como eles funcionam

Para um escritor inexperiente (mas não somente) escolher o tipo de narrador de uma história é sempre um desafio e não raro motivo de bloqueio criativo. Para vencer essa barreira, Francine Prose, em Para ler como um escritor (Zahar, 2008), propõe um artifício interessante que é o de pensar “narrativas contadas por personagem para outro” (p. 92).

Quando escolhemos um narrador em primeira ou terceira pessoa para contar uma história, isso não implica que este narrador precise ser um único personagem. É o caso, por exemplo, do livro Madame Bovary, cuja história começa sendo contada do ponto de vista de uma colega daquele que mais tarde seria marido de Emma Bovary.

Narrador em segunda pessoa


Muito menos comum são narradores em segunda pessoa, que se dirigem a um “você”. É claro que se esse “você” é um ser completamente vago, por exemplo, mirando o “leitor” no sentido amplo do termo, será muito difícil escrever e tende a não funcionar caso o escritor não tenha completo domínio de sua própria escrita.

Neste caso, vale seguir a dica de Prose que apresentamos acima. A própria autora traz um exemplo interessante em seu livro, que é um conto de Mavis Gallant, chamado Mlle. De Corta.

“Você se mudou para o meu apartamento durante o verão do ano anterior à legalização do aborto na França; isso deveria situar o caso no passado para você, cara Mlle. Dias de Corta. Você acabara de chegar de Paris, vinda de sua cidade natal, que insistia sempre que era Marselha, e estava procurando emprego.”

Narrador em primeira pessoa do plural

Se uma narrativa em segunda pessoa é menos comum, em primeira pessoa do plural – “nós” – é ainda mais rara. Mas existem. Outro exemplo trazido por Prose é “We Didn’t”Não fizemos, em tradução lilvre – em que o narrador fala de um encontro que se dirige a uma pessoa, mas que inclui o próprio narrador na história.

“Não fizemos na luz; não fizemos no escuro. Não fizemos na grama de versão recém-cortada ou nos montes de folhas do outono ou na neve em que o luar deixava cair as nossas sombras. Não fizemos no seu quarto na cama de dossel em que você dormia, a cama em que você dormia quando criança, ou no assento de trás do Rambler enferrujado do meu pai (…)”

Página de livro aberta com ilustração de barco
Imagem: Tumisu / Pixabay CC

As linguagens do romancista

Nesse jogo entre narrador, personagens e leitor é importante levar em conta certas particularidades no que toca a linguagem da escrita, que é composta sempre a partir de três níveis de interação. Quem nos explica isso é James Wood, no livro citado anteriormente, na página 40:

• “Há a linguagem, o estilo, os instrumentos de percepção etc. do autor”;

• “Há a suposta linguagem, o suposto estilo, os supostos instrumentos de percepção etc. do personagem”;

• “Há o que chamaríamos de linguagem do mundo – a linguagem que a ficção herda antes de convertê-la em estilo literário, a linguagem da fala cotidiana, dos jornais, dos escritórios, da publicidade, dos blogs, dos e-mails”.

Portanto escrever pressupõe muitas camadas. Isso pode parecer difícil e complexo no começo, mas com certeza você já faz isso quando produz suas ficções. A diferença é que, talvez agora, você tenha consciência disso e lançando mão desta consciência possa aproveitá-la em favor de sua narrativa.

O que é importante para você escritor, é levar em conta que a escolha do narrador é, sim, importante, mas é somente um passo. Tudo o que vem depois – a narrativa, portanto – é algo que precisa de atenção e é também fundamental para sua escrita narrativa.

Bem, essa é a delícia e o desafio de casar narrador e narrativa, mas que, sem dúvidas, é fundamental para todo bom texto literário!

Clube de criação literária

Clube de Criação Literária é uma dessas ações de mecenato coletivo – neste caso, em favor do escritor e tradutor Robertson Frizero. Mas, como o próprio nome sugere, é uma ação de mecenato que traz, também, uma ideia inovadora no campo da formação continuada em Escrita Criativa.https://www.youtube.com/embed/5RnCn4ZziEQ?feature=oembed

Associando-se ao Clube, o participante colabora com o mecenato coletivo e tem acesso a conteúdo exclusivo sobre Criação Literária:

  • Material didáticoartigos resenhas de livros de interesse na área de Criação Literária;
  • Reuniões on-line e debates sobre Criação LiteráriaLiteratura Mercado Editorial;
  • Vídeos, áudios, apresentações e sessões de mentoria literária em grupo;
  • Sorteios mensais de livros e serviços de mentoria literária individual e leitura crítica.

Desafio de literatura 2021: envie suas resenhas e ganhe prêmios

Conhece o Desafio de literatura 2021 do site Frizero? Você pode publicar sua resenha literária em nossa página e de quebra ganhar o livro  Dostoiévski – Correspondências (1838-1880), do escritor russo que completa duzentos anos de nascimento em 2021. A edição foi traduzida por Robertson Frizero.

Como devo escrever e enviar minha resenha

No mês de setembro, o desafio é ler um Um livro de autor brasileiro lançado de forma independente.

Para participar basta enviar seu texto para sitefrizero@gmail.com com o assunto [DESAFIO DE LITERATURA – NOME DO PARTICIPANTE].

Lembre-se deixar no formato .doc com a seguinte formatação: Times New Roman, 12, espaçamento 1.5, título e autor no nome do arquivo.

Caso sua resenha seja escolhida para publicação, você receberá um e-mail solicitando dados para o recebimento da premiação.


Robertson Frizero

Retrato de Robertson Frizero
Robertson Frizero

Robertson Frizero é escritor, tradutor e professor de Criação Literária. Sua primeira oficina foi lançada em 2011, e desde então se manteve em atividade contínua, entre oficinas, cursos, palestras e mentorias literárias. Foi jurado do Prêmio Jabuti de Literatura por três anos consecutivos e jurado do Prêmio Açorianos de Literatura. É Mestre em Letras pela PUCRS e especialista em Ensino e Aprendizagem de Línguas Estrangeiras pela UFRGS.

Frizero é autor de romances e livros infantis premiados, e já publicou também poesia, contos e textos teatrais. Seu livro de estreia, o infantil Por que o Elvis Não Latiu? [8INVERSO, 2010], foi agraciado com o Prêmio Crescer. Seu romance de estreia, Longe das Aldeias [Dublinense, 2015], ganhou o Prêmio AGES de melhor romance do ano pela Associação Gaúcha de Escritores – AGES e foi finalista dos prêmios São Paulo de Literatura e Açorianos de LiteraturaLonge das Aldeias foi também escolhido pelo Governo Federal para distribuição à Rede Pública de Ensino no PNDL Literário 2018. Em 2020, Longe das Aldeias foi traduzido para o árabe e publicado no Kuwait e Iraque, com distribuição para todo o mundo árabe.


Leia também

Por que participar de oficinas de literatura

O conflito na ficção literária – Parte 3 | As circunstâncias do conflito

O conflito na ficção literária – Parte 2 | A transformação do personagem

O conflito na ficção literária – Parte 1

Escrevendo o máximo com o mínimo

Prêmio Literário – Literatura Mínima 2021

Faça parte do Clube de Criação Literária

O que é um texto?

A epopeia de Gilgamesh: o livro mais antigo do mundo

Como ler e escrever como um escritor

Do pensamento à palavra: como transformar ideias em literatura

Originalidade na escrita criativa

Conheça o Clube de Criação Literária!

Dizer uma coisa para dizer outra

Disciplina na escrita criativa é a liberdade do escritor

Ritmo na poesia e a divisão das sílabas métricas: o decassílabo

Aproveite algumas dicas de como se tornar um escritor profissional

Conheça quatro lições para ser um bom escritor

Personagens como os alicerces da história – Parte II

Personagens como os alicerces da história – Parte I

Literatura de entretenimento no Brasil: conheça suas características

Da leitura de superfície à estrutura do texto na escrita criativa

Como escrever um bom começo de texto literário

O fator humano na Escrita Criativa e na literatura de ficção

O conto e a literatura de narrativa curta

8 Replies to “Narrador e narração na literatura de ficção”

  1. […] Narrador e narração na literatura de ficção […]

  2. […] Narrador e narração na literatura de ficção […]

  3. […] Narrador e narração na literatura de ficção […]

  4. […] Narrador e narração na literatura de ficção […]

Deixe uma resposta